A FONTE DA JUVENTUDE


Quando notou que os cabelos negros de sua mulher estavam mais bonitos com o tom prateado que haviam adquirido nos últimos anos, tomou a decisão de não procurar mais saber, diariamente, na frente do espelho, com os olhos míopes arregalados, se a barba estava ficando mais branca.
Percebeu que essas mudanças não eram apenas exteriores.
Sentia o coração leve, a alma solta, o espírito em paz.
E, assim, abandonou definitivamente qualquer esperança de se tornar eternamente jovem.




2 comentários:

gafanhoto disse...

oi, motta! li alguns contos aqui. são textos da nova era, ou seja, textos para se ler rápido, na pressa dos novos tempos. são contos legais.

de repente tive até uma idéia. você poderia criar outro blog: histórias verdadeiras que poderiam ser fictícias, rs.

abraço!

CARLOS MOTTA disse...

Legal, Gafanhoto. Sugestão anotada. A realidade está mesmo virando peça de ficção.
Um abraço,
Motta